Só depois que se visita Cape Town que se entende o porquê da cidade ser carinhosamente chamada “Mother City”: ela acolhe a todos como uma mãe.

Acompanhem os nossos incríveis 6 dias nessa cidade que nos recebeu de uma forma extraordinária. Os sul-africanos são extremamente educados, gentis e solícitos. Cape Town é paradisíaca e preparada para receber os turistas com muitas opções de entretenimento, compras, praias, natureza e aventuras radicais.

DIA 1

No primeiro dia, fomos conhecer o cartão postal de Cape Town, símbolo do país e uma das 7 Maravilhas Naturais, a Table Mountain.

O topo da Table Mountain, um planalto com 3 Km de extensão e 1100 metros acima do nível do mar, pode ser acessado por uma de suas 500 trilhas ou por um teleférico giratório cuja subida já é uma experiência maravilhosa.

Table Mountain

A grande dica para quem vai subir pelo teleférico é fazê-lo na primeira oportunidade pois a subida depende basicamente de 2 fatores: visibilidade lá do alto e o vento. Para não ter o passeio frustrado, basta acessar o site do teleférico, aqui, onde já se pode comprar inclusive o ingresso antecipado e ter as informações de visibilidade e duração das filas. Sempre faça essa consulta antes de ir!

Lá no alto, a vista da cidade é impressionante, e podemos observar mais de 1500 espécies diferentes de plantas e vários animais, em especial o Dassie, o charmoso roedor das montanhas. O espaço ainda conta com um café, banheiros e uma lojinha.

Depois, fomos conhecer o lugar mais visitado da cidade, o Waterfront, que conta com inúmeros hotéis, restaurantes, bares, cafés, lojas, supermercado, shoppings, barcos e até um aquário e uma roda gigante. Voltamos nele várias vezes durante a nossa viagem.

DIA 2

Começamos o nosso segundo dia no maravilhoso Kirstenbosch Botanical Garden, o jardim botânico mais bonito da África e um dos mais belos do mundo, com uma vista maravilhosa da montanha.

Kirstenbosch Botanical Garden

Os destaques são a rota sensorial, no jardim das proteas (flores símbolo da África do Sul) e na rota mais linda de todas, a Tree Canopy Way, um caminho a 12m sob as árvores.

A próxima parada seria fazer a trilha de 2,2 Km da Lion’s Head, que dura aproximadamente 50 minutos, subindo 220 metros circundando a montanha. Mas não pude fazer devido uma inflamação do ciático que quase atrapalhou o roteiro e fui salvo por uma bendita injeção de corticóide e muito antiinflamatório. Fiquei só no gostinho da vista espetacular que deve ter da cidade e tudo a sua volta. Um ótimo pretexto para voltar!

Para compensar a frustração da Lion’s Head, subimos a Signal Hill, uma colina com 350 metros de altura, bem próxima às montanhas Lion’s Head e Table Mountain, que é possível subir de carro até o seu mirante, um dos melhores locais para se apreciar o pôr do sol e ver todo o centro da cidade.

Seguimos para o Bo-Kaap, o bairro que fica na encosta do Signal Hill com casinhas coloridas do século XIX. No Século XVIII, ele já foi um bairro exclusivo de escravos trazidos da Indonésia e Índias Orientais que formaram a etnia Malai. Ali, já por volta de 1844, se estabeleceram os islâmicos que construíram diversas mesquitas formando assim o bairro multicultural que é hoje.

 Finalizamos o dia em Cape Quarter, a essência cosmopolita de Cape Town, no bairro de Green Point. Descobrimos nos corredores do Cape Quarter diversos antiquários, ateliês de artistas locais, lojas de móveis de design, souvenires e boutiques modernas. Na praça central, vários bares, cafés e restaurantes à luz de velas convidavam para um happy hour.

DIA 3

Começamos o dia no Castelo da Boa Esperança, o edifício mais antigo da África do Sul, um antigo forte a beira do mar, quando a zona portuária ainda não era aterrada. Foi construído pelos holandeses em 1679, e foi durante muitos anos a central administrativa e militar da Cape Town. Hoje abriga um museu militar com uma vasta coleção de pinturas, artes decorativas, mobiliário, prataria, louças e muitos outros objetos utilizados antigamente, sendo também possível visitar os jardins e a parte de cima do forte com uma vista 360 graus da região central de Cape Town.

Logo em frente está o Cape Town City Hall, a prefeitura da cidade, construída no estilo renascentista italiano com mármore e granito ornamentados e finalizada em 1905. A torre do sino contém o maior carrilhão da África, com 39 sinos, e é inspirada no Big Ben de Londres. Seu salão principal é frequentemente palco de grandes eventos, incluindo muitas apresentações das Orquestras Filarmônicas e Orquestra Sinfônica de Cape Town. E foi ali que a jovem princesa Elizabeth da Inglaterra realizou um grande baile em 1947 para comemorar seu aniversário de 21 anos, e em 1990 Nelson Mandela se dirigiu a cerca de 250 mil pessoas reunidas no Grand Parade após sua libertação da Robben Island da varanda da Prefeitura.

Visitamos a St. George’s Cathedral, um dos templos anglicanos mais importantes da África do Sul, construída em estilo gótico com enormes vitrais coloridos. Durante o apartheid era o único local da cidade que aceitava pessoas de ambas as raças, onde, o arcebispo Desmond Tutu, ganhador do Prêmio Nobel da Paz fez seus sermões memoráveis.

Seguimos para a Long Street, o destino mais popular para quem procura agito e badalação, repleto de casas em estilo vitoriano originais e preservadas, com muitos bares, livrarias, lojas de artesanatos e albergues, onde almoçamos no famoso Mama Africa.

Terminamos o dia no The Company’s Garden, um jardim criado pelos holandeses em 1650, e que hoje é um calçadão arborizado, onde ao longo dele estão a Galeria Nacional da África do Sul, Planetário, Parlamento, Biblioteca Nacional, Catedral St. George e um grande parque público com um jardim de rosas, um jardim japonês, um aviário e um pequeno lago, com vista para a Table Mountain.

DIA 4

No nosso quarto dia, fomos conhecer o Cabo da Boa Esperança e o Cape Point. Veja todos os detalhes desse incrível passeio de um dia aqui.

DIA 5

No nosso quinto dia, fizemos o tão esperado safári. Veja como foi essa aventura inesquecível aqui.

DIA 6

Na manhã do nosso último dia em Cape Town, fomos para Woodstock, bairro que está sendo revitalizado e vai se transformando em um lugar cool e artístico. Visitamos a famosa Neighbourgoods Market, uma feirinha que acontece todo sábado, com roupas, comidas, bijuterias, cerâmicas dentro do Old Biscuit Mill, um dos mercados mais badalados da cidade com coleções de arte, artesanato, lojas de moda e design, restaurantes e a CocoaFair, uma fábrica de chocolates cujo cheiro domina o lugar, e dá para ver parte da fabricação, além de degustar gratuitamente uma grande variedade de chocolates.

Fomos almoçar em Camps Bay, a praia mais badalada de Cape Town e uma das mais bonitas da península com vista para as montanhas Twelve Apostles e Lion’s Head, e que ao longo do seu calçadão repleto de palmeiras estão alguns dos melhores restaurantes, lojas e hotéis da cidade.

Terminamos o dia apreciando as praias de Clifton, o reduto dos milionários e onde estão os imóveis mais caros da África do Sul, com uma vista incrível.

Faltou alguma coisa em nosso roteiro? Deixe seu comentário, ou nos envie um e-mail, contando como foi sua experiência de Ser Turista em Cape Town.

Deixe um Comentário